Lais Myrrha: a arquitetura do mundo como matéria da arte

Artigo da pesquisadora Ana Paula Freitas de Albuquerque, publicado na revista Palíndromo, Florianópolis, v.14, n.33, p.000-000, maio 2022 (DOI:http://dx.doi.org/10.5965/2175234613302021023).

RESUMO

O presente artigo propõe-se a analisar duas obras da artista brasileira Lais Myrrha, Teoria das Bordas (2007) e Dois pesos, duas medidas (2016), a fim de desvendar aspectos da sua construção poética. Os artefatos, que lidam com a desconstrução das fronteiras reais e simbólicas que organizam a nossa existência, com o avanço da técnica moderna e a ameaça de colapso que seu uso instrumentalizado implica, dão pistas do seu interesse em, revirando as ruínas que se acumulam no nosso presente, refletir, por meio das categorias de tempo e espaço, como são arquitetadas as coisas do mundo. Ao articular as imagens a partir de outras narrativas, ao mudar os referenciais do que é visto e dos sentidos que ordinariamente lhe são atribuídos, a artista bagunça a ordem das coisas, desordena as hierarquias e traz à tona a potência da destruição de tudo aquilo que parece necessário e inevitável.

Palavras-chave: Lais Myrrha. Arte contemporânea. Ruínas. Destruição. Impermanência.

Para ler o artigo na integra clique aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *